Últimas Notícias



Existem pelo menos 40 pontos de interdição nas rodovias baianas, de acordo com dados mostrados pelo Google Maps. As rodovias federais no Recôncavo e no Vale do Jiquiriçá, que dão acesso à Amargosa, estão interditadas. A BA-026 também está bloqueada e com manifestações.

Segundo informações da assessoria da Concessionária Bahia Norte, na BA-526 na capital do estado, via Aeroporto, e na via BA-093 os protestos dos caminhoneiros já foram finalizados.

Da Redação


O presidente Michel Temer também sofre as consequências da crise de abastecimento de combustíveis. A falta de querosene de aviação (QAV) no aeroporto internacional de Brasília afetou a aeronave que atende ao chefe de estado.

Uma fonte ligada à Presidência da República afirma que o mandatário vai ter muita dificuldade caso precise se deslocar para um destino distante. Segundo a coluna do Fraga, do portal R7, o gabinete teria sido alertado sobre a dificuldade de decolagem da aeronave presidencial, a depender do destino.

O avião, um ACJ319, fabricado pela Airbus, tem autonomia máxima de 9 horas e 45 minutos de voo. De acordo com a fonte ligada à Presidência, o problema é que não haveria combustível suficiente estocado em Brasília para um percurso semelhante. Para trechos menores é possível que haja combustível, mas a FAB não informa quanto. (Metro1)




Até o momento, a Advocacia-Geral da União (AGU) obteve 28 decisões judiciais favoráveis à desobstrução de rodovias federais em 14 estados e no Distrito Federal. Os estados são: Acre, Ceará, Sergipe, São Paulo, Paraná, Pará, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Goiás, Santa Catarina, Pernambuco, Paraíba, Rondônia e Rio Grande do Sul.

Mais 12 ações foram ajuizadas e aguardam uma definição no Maranhão, Amazonas, Pernambuco, Bahia, Mato Grosso, Tocantins, Mato Grosso Sul, Goiás e São Paulo.Nas ações, o governo solicita reintegração de posse de rodovias federais que estejam ocupadas e também interditos proibitórios (procedimento processual utilizado para impedir agressões iminentes que ameaçam alguém).

O governo vai acionar as forças de segurança federais para liberar as estradas e as Forças Armadas serão utilizadas para garantir o abastecimento da população. Para isso, será editada uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), válida até o dia 4 de junho. A notícia foi dada hoje (25), em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.


O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmman, afirmou ainda que o presidente Michel Temer poderá editar um decreto para permitir a requisição de bens, prevista na Constituição, para que alimentos, combustíveis, medicamentos e insumos cheguem à população, em todo o país. Ele acrescentou que os militares têm o respaldo legal para assumir a direção dos caminhões dos grevistas, se assim necessário. (Correio)




A Vara Crime da Comarca de Amargosa decretou, nesta sexta-feira (25), a prisão de Anderson dos Santos Damascena, um dos maiores traficantes da cidade de Milagres. A preventiva foi determinada após representação da Polícia Civil, que realiza diligências com o objetivo de capturar o criminoso.

Damascena já é considerado foragido. Ele havia sido preso em flagrante no mês de abril, mas acabou obtendo a liberdade provisória. Além de drogas, naquela ocasião foi apreendido em poder do traficante um telefone celular que continha várias informações comprometedoras.

O acesso aos dados do telefone foram autorizados judicialmente, após representação de quebra de sigilo protocolada pelo delegado Ricardo Ribeiro, titular da Delegacia Territorial de Milagres. Segundo o delegado, na conta de Damascena no aplicativo de mensagens WhatsApp havia diversos áudios que confirmam seu envolvimento com o tráfico de drogas, entre outros crimes.

Na tarde desta sexta-feira (25), as polícias civil e militar de Milagres fizeram diligências para prender o traficante, mas ele não foi encontrado. Informações sobre o paradeiro de Anderson Damascena podem ser fornecidas por meio do “ZAP DENÚNCIA” da Delegacia de Milagres (75) 98330-7958. A identidade do informante é mantida no mais absoluto sigilo. (PolíciaCivil)




O Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniência do Estado informou na tarde de hoje (25) que chegou ao fim o abastecimento de gasolina e álcool em todos os postos da Bahia. Ainda segundo o Sindicombustíveis, apenas 5% dos postos do estado ainda têm diesel.

O problema ocorre em função da falta de abastecimento dos postos, devido à greve dos caminhoneiros em todo o país. (Metro1)




Os militares ficaram preocupados com a decisão do residente Michel Temer de acionar as forças federais para desobstruir as rodovias federais. Com a crise do abastecimento, os oficiais temem que as forças não tenham combustível suficiente para agir nas ruas por vários dias seguidos. As informações são do blog de Andréia Sadi, do portal G1.

A publicação também informa que, antes decidir usar as forças federais, o chefe de estado ouviu general Sérgio Etchegoyen, do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência, e o ministro Raul Jungmann, do Ministério da Segurança Pública – mas não escutou o conselho da defesa.




Ao menos 11 universidades públicas suspenderam parcial ou totalmente as atividades acadêmicas e administrativas nesta sexta-feira, 25, em função dos reflexos da greve dos caminhoneiros. Em oito instituições, as aulas foram canceladas e em outras duas, a reitoria recomendou que os professores não aplicassem atividades de avaliação.

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) informou na tarde desta sexta que, “enquanto perdurar o movimento, não há garantia de atendimento às demandas da universidade” e, por isso, todas as atividades acadêmicas, incluindo graduação, pós-graduação e extensão, estão suspensas até segunda-feira, 28 nos campus de Campinas, Piracicaba e Limeira.

“Durante este período deverão ser mantidas, dentro das possibilidades, as atividades da Administração Central e as atividades assistenciais da área da saúde”, diz a instituição em nota.

Também foram suspensas as aulas nas universidades federais de Pernambuco (UFPE), Rural de Pernambuco (UFRPE), Lavras (UFLA), do Triângulo Mineiro (UFTM), São João Del-Rei (UFSJ), Sergipe (UFS) e Grande Dourados (UFGD). As instituições decidiram pela suspensão por causa da dificuldades dos alunos e professores de chegarem até os campus.

A Unifesp também suspendeu as aulas nos campus da Baixada Santista, Guarulhos, Osasco e São José dos Campos.

Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), os restaurantes universitários não servirão jantar nesta sexta por causa da dificuldade de transporte das refeições. “A empresa responsável encontra problemas no deslocamento devido a bloqueios de caminho”, diz a nota da instituição. (Istoé)




A Ford interrompeu a sua produção em Camaçari (BA) e Taubaté (SP) devido a greve dos caminhoneiros. A suspensão também se estende à fábrica de São Bernardo do Campo.

A unidade da montadora em Camaçari foi inaugurada em outubro de 2001 e tem capacidade anual de produção de 250 mil carros. O complexo é responsável pela fabricação dos compactos Ka e Ka+, além do EcoSport.

A Ford não informou desde quando a produção da fábrica de Camaçari foi suspensa e nem quantos carros deixou de produzir no período.

Além da Ford, a Renault também parou a produção na fábrica em São José dos Pinhais (PR), onde é fabricado cerca de 1.300 veículos por dia. A produção de motores também foi interrompida.

A Toyota e a Peugeot também estão com linhas de produção paradas desde a quarta, 23. No caso da Toyota, a interrupção ocorre nas fábricas de Sorocaba e Indaiatuba, ambas no interior de São Paulo. (ATarde)



A rodovia BA-026 está bloqueada entre os municípios de Amargosa e Varzedo, na altura do entroncamento para Elísio Medrado. Manifestantes fizeram o bloqueio com pneus e galhos de árvores.  Ônibus intermunicipais, caminhões e veículos de passeio estão retornando.

A manifestação, em apoio a paralização dos caminhoneiros contra o aumento do combustível, foi iniciada na manhã desta sexta-feira (25) e vem ganhando força.







Um acidente de trânsito ocorreu na manhã desta sexta-feira(25) na avenida Rio Branco, no Largo do Maracanã, Centro de Amargosa, e deixou um motociclista ferido. O local tem um alto índice de acidentes devido a falta de sinalização adequada.

Segundo informações colhidas pela reportagem do AmargosaNews, o acidente ocorreu por volta das 10h30min. A motocicleta modelo Honda Pop seguia sentido ao bairro Catiara quando colidiu com um veículo Strada na rotatória. Com o impacto, o motociclista sofreu escoriações pelo corpo e foi socorrido pelo SAMU. Uma viatura da Polícia Militar e da GCM estiveram no local e os agentes controlaram o trânsito durante o socorro da vítima.

Da Redação.



Os vereadores Diego Mercês, Xuxa, Val Cintra, Charuto, Oldaque Maia e Viviane Santana, que atualmente fazem oposição ao governo do prefeito de Amargosa, Júlio Pinheiro, protocolaram na manhã desta sexta-feira (25), um requerimento junto a Câmara de Amargosa solicitando a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar a responsabilidade pelas mortes de recém-nascidos e parturientes (gestantes), ocorridas nos anos de 2017 e 2018, no hospital de Amargosa.

A solicitação acontece logo após alguns casos recentes, quando dois bebes morreram durante a realização do parto normal num período de 15 dias. Inclusive, houve uma manifestação pelas ruas da cidade na última quarta-feira (23).


Da Redação AmargosaNews.



Todos os seis postos de combustíveis de Amargosa estão 100% sem gasolina e etanol, nesta sexta-feira(25), 5º dia da grave dos caminhoneiros. A informação foi confirmada pela reportagem do AmargosaNews. Alguns postos ainda possuíam diesel S10.

Na noite de ontem(24), vários motoristas fizeram longas filas e compraram os últimos litros de etanol e gasolina dos postos que ainda tinha. Com o prolongamento da greve dos caminhoneiros, a tendencia é que a situação se agrave e afete setores como alimentos, transportes escolar, hospitais, segurança pública, entre outros.


Da Redação.



Os bloqueios nas rodovias de 20 estados brasileiros por conta da greve dos caminhoneiros já ameaçam o abastecimento de carne de frango e de porco. Pelos menos 120 dos 180 frigoríficos de todo o país estão paralisados. Ao todo, 175 mil trabalhadores foram mandados para casa e o prejuízo estimado apenas com as exportações que deixaram de ser feitas nestes quatro dias é de US$ 100 milhões, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

O problema ocorre porque os frigoríficos dependem diretamente de combustível e outros insumos para funcionar. A Cooperativa Central Aurora Alimentos informou que vai paralisar totalmente as atividades de suas indústrias de processamento de aves e suínos em Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. A BRF já suspendeu o funcionamento de quatro unidades e nove frigoríficos pelo mesmo motivo.

Nas granjas, os animais correm o risco de começar a passar fome. Pelo menos um milhão de frangos e porcos estão ameaçados, alerta a World Animal Protection (WAP), uma ONG internacional que cuida do bem-estar dos animais. Segundo a ABPA, "os bloqueios impedem o transporte de ração, animais vivos e cargas refrigeradas".

Os produtores explicaram que o estoque de ração nas granjas não é muito grande; é suficiente apenas para 3 ou 4 dias sem abastecimento regular. "A partir do quinto dia, os produtores já começam a intercalar a alimentação -- dia sim, dia não; dois dias sim, um dia não -- para não ter a falta total", explicou José Rodolfo Ciocca, gerente de agropecuária sustentável da WAP.

Mas há ainda um outro problema. Com a paralisação repentina, os frigoríficos, sem ter como dar vazão a seus produtos, suspendem o abate dos animais. "Começa a haver um acúmulo de animais na granja", explica Ciocca. "Os que já estão aptos para o abate continuam crescendo; isso aumenta a demanda por ração, reduz o espaço físico disponível por animal, gerando estresse e aumentando sua vulnerabilidade a doenças."

Para se ter uma ideia do tamanho do problema, somente a Aurora Alimentos abate cerca de um milhão de frangos e 200 mil porcos por dia. Frigoríficos menores abatem 200 mil frangos diariamente. A produção anual de frango no Brasil é de 6,5 bilhões e a de suínos, 44 milhões.

Os animais que já se encontravam na estrada, em transporte, estão sofrendo com a paralisação, o calor e, eventualmente, a falta de alimentos.

Neste primeiro momento, o problema afeta, primordialmente, a produção de porco e de frango. O gado bovino em geral é criado no pasto, com mais espaço e menos dependente de ração, e os produtores têm como contornar o problema mais facilmente. No entanto, milhares de litros de leite estão sendo jogados fora diariamente porque não há como fazer o transporte e tampouco se pode deixar de ordenhar as vacas sob o risco de desenvolverem doenças.

"Estamos gerando um alerta para autoridades e governos para que se envolvam na elaboração de um plano de contingência nacional para casos como esse", afirmou Ciocca. "São milhares de vidas animais sob nossa tutela e não há um consenso ainda para liberar os caminhões de ração, por exemplo." (vi no leiamaisba)




Apesar do anúncio de que a frota de ônibus só seria reduzida a partir deste sábado, 26, a Prefeitura de Salvador decidiu antecipar a ação e diminuiu em 20% o número de coletivos que estão circulando na cidade nos horários de pico. Nos demais períodos, a redução será de 40%.

O secretário de Mobilidade Fábio Mota explicou que o plano para economizar combustível foi antecipado porque as empresas de transporte não receberam diesel nesta quinta. "Infelizmente não tivemos abastecimento, então tivemos que reduzir a frota já a partir de hoje (sexta)", explicou Mota.

De acordo com ele, a redução atinge toda cidade, contudo as linhas com maior demanda não serão afetadas. A expectativa é manter o plano de contingência até a próxima semana. Neste sábado, a frota será reduzida em 50% e no domingo em 30%.

Na segunda e terça, 80% da frota de 2,6 mil ônibus vão circular no horário de pico e 60% nos demais períodos. Fábio Mota alerta que o plano só consegue garantir combustível até terça, 29.

"Se a greve não acabar, infelizmente teremos dificuldade de tirar os ônibus das garagens na quarta", comunicou o secretário, informando que os caminhoneiros estão bloqueando a entrada das refinarias, impedindo a saída de caminhões com combustível.

A greve dos caminhoneiros começou na última segunda, 21. Eles protestam em todo país contra o preço do diesel. (ATarde)


Em apoio a greve dos caminhoneiros, um grupo de manifestantes se reuniram nesta sexta-feira(25), para manifestar no entrocamento da BA-026 para Elísio Medrado. A rodovia foi bloqueada com fogo em galhos de árvore, pneus e madeiras. Os manifestantes também protestam contra as péssimas condições das BAs 026 e 886.

A sequencia de aumentos nos preços de combustíveis foi a motivação da greve dos caminhoneiros em todo país, que já dura 5 dias, e o que tem comprometido o reabastecimento em postos de combustíveis, supermercados, hospitais e vários outros serviços. Nesta sexta-feira(25), mesmo após um suposto acordo anunciado pelo governo, o bloqueio das principais rodovias da Bahia continua.

Da Redação.
Fotos enviadas por Whatsapp.






Um dia de perdas na bolsa, a Petrobras perdeu R$ 45 bilhões em valor de mercado nesta quinta-feira (24), de acordo com levantamento da Economatica. A baixa acontece em meio à greve dos caminhoneiros, um dia depois da empresa anunciar a redução e congelamento dos preços do diesel nas refinarias.

As ações preferenciais da empresa, que dão preferência na distribuição de dividendos, caíram 13,7% nesta quinta. Já as ordinárias, que dão direito a voto em assembleias da empresa, recuaram 14,55%.

Com o tombo, a Petrobras voltou a perder o posto de maior empresa brasileira de capital aberto em valor de mercado, segundo dados da provedora de informações financeiras Economatica.

As perdas acontecem um dia depois de a empresa decidir reduzir em 10% o preço do diesel por 15 dias, em uma medida que vai resultar em perda de R$ 350 milhões em receita para a companhia. (G1)




Apesar do acordo entre o governo federal e representantes dos caminhoneiros para suspender greve por 15 dias em todo o país, as mobilizações continuam nas rodovias baianas nesta sexta-feira (25).

Na BA-526, próximo à Ceasa de Simões Filho, caminhões estão estacionados desde a 1h, no acostamento. A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) está acompanhando a mobilização, de acordo com informações do Centro Integrado de Comunicação (Cicom), da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Os manifestantes, no entanto, não estão bloqueando a pista.

Também há mobilização dos caminhoneiros na BR-101, na altura do município de Muritiba, no Recôncavo baiano, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Na BR-324, na altura do bairro de Valéria, em Salvador, há manifestação com uma faixa interditada sentido Salvador, segundo a Via Bahia. Na mesma rodovia, no km 541 na altura de Amélia Rodrigues, no sentido Feira de Santana, há um ponto de bloqueio, de acordo com a PRF. Os protestos começaram entre 5h30 e 6h.

Segundo informações da Via Bahia, as manifestações também continuam na BR-116, com restrição de passagem apenas para veículos de carga (caminhões e carretas) nas cidades de Santo Estevão, Itatim, Milagres, Jequié, Poções, Manoel Vitorino e Vit. da Conquista. Ainda de acordo com a concessionária, o tráfego está fluindo normalmente para demais veículos. (Correio)




As propostas anunciadas pelo governo federal para tentar conter a manifestação dos caminhoneiros não foi recebida por unanimidade pela categoria. Em Brasília, antes mesmo do término da reunião com o governo, José da Fonseca Lopes, da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCam), manifestou seu desacordo, de acordo com o portal G1. A entidade representa cerca de 650 mil caminhoneiros.

Depois do comunicado feito pelos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha; da Secretaria de Governo, Carlos Marun; e da Fazenda, Eduardo Guardia, começaram a circular em redes sociais e aplicativos de mensagens em vídeo com caminhoneiros dizendo não terem sido representados no encontro em Brasília e que vão continuar a protestar nas estradas.
Liderança dos caminhoneiros no Estado de Mato Grosso, Gilson Baitaca divulgou uma mensagem de áudio também criticando a postura do governo. Disse que a categoria não deu trégua ao governo porque duas das principais reivindicações não foram atendidas. Entre elas, a isenção de PIS-Cofins sobre combustíveis.


"Não houve nenhum acordo. O governo pegou a assinatura de duas ou três entidades e soltou na imprensa que houve um acordo a fim de estabelecer uma trégua. E não houve acordo nenhum porque eu estava junto", disse Baitaca, afirmando estar presente na reunião. (G1)


Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.