terça-feira, 21 de fevereiro de 2017


Um grupo de aproximadamente 300 policiais civis dos departamentos de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) trabalharão infiltrados no Carnaval 2017. De acordo com a assessoria da Polícia Civil, delegados e investigadores vão circular entre os foliões, realizando monitoramento da festa 24 horas durante os seis dias de folia. Segundo o diretor do Draco, delegado Marcelo Sansão, os policiais infiltrados atuarão para coibir o tráfico de drogas e crimes contra o patrimônio, como furtos e roubos. Uma das estratégias dos agentes é se misturar aos foliões pipoca e dentro de blocos e camarotes para combater crimes. “Essas equipes veladas vão observar a movimentação nos espaços onde o folião vai brincar o carnaval e, ao visualizar uma ação delituosa, acionam equipes padronizadas para realizarem abordagens e prisões em flagrante”, explicou Marcelo Sansão. O Disque-Denúncia (3235-0000), da Secretaria da Segurança Pública (SSP), também será uma das ferramentas utilizadas pela polícia para auxiliar no trabalho das equipes. “Se um crime estiver ocorrendo em qualquer ponto dos circuitos e a informação chegar à polícia pelo Disque-Denúncia, temos a opção de deslocar os policiais infiltrados para averiguar a situação sem chamar a atenção e decidir o melhor momento de efetuar uma prisão”, exemplificou o diretor do DCCP, delegado Élvio Brandão. (Bahia Notícias)

Comentários da Notícia: