quinta-feira, 23 de março de 2017




Foi negado, mais uma vez, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o pedido de habeas corpus do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB). Ele é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas na Operação Lava Jato.

A decisão foi da Quinta Turma da Corte, nesta terça-feira (21), após uma solicitação da defesa de Cunha, que argumentava não haver motivos para que o decreto determinasse sua prisão.

Os advogados argumentaram que a liberdade de Cunha não traria novos riscos para as investigações. Segundo o STJ, a manutenção da prisão preventiva se justifica, já que o réu "faz parte de um sistêmico e profissional esquema de corrupção" que trouxe "prejuízos financeiros milionários" aos cofres públicos.

Eduardo Cunha está preso desde outubro de 2016, um mês após ter tido seu mandato de deputado cassado na Câmara. No mês passado, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiu manter a prisão de Cunha alegando que não houve ilegalidade na decisão do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na Justiça Federal. (Metro1)

Comentários da Notícia: