segunda-feira, 15 de maio de 2017



Quem vai participar do concurso para Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar da Bahia precisa estar mais atento às provas de Redação (discursiva) e de conhecimentos específicos. Juntas, elas representam 85% do peso da avaliação. Essa é uma das informações mais valiosas do edital do certame para auxiliar o candidato a construir seu plano de estudos.

A pedido do CORREIO, professores de cursos preparatórios analisaram o edital para levantar as principais características da prova. O concurso tem 2.750 vagas abertas e remuneração de até R$ 2.585,05. As inscrições, já abertas, vão até 19 de junho no site do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC), www.ibfc.org.br, banca organizadora da seleção.


PREPARAÇÃO

Segundo Edmundo Garcia, professor de Direito Administrativo do Curso Ímpar, a banca deve ser levada em consideração. No que diz respeito aos conhecimentos específicos “o IBFC costuma utilizar a letra da lei, legislações específicas”, diz. Ainda assim, pede que o candidato leia conceitos doutrinários porque o assunto pode ser cobrado em disciplinas como Direito Administrativo.

Edmundo acrescenta que o aluno não deve criar expectativas de uma prova fora da realidade da banca. “O grau de dificuldade é médio e com um estudo dirigido é possível ser tão objetivo quanto a prova”. Ele aconselha que o aluno estude exclusivamente o que o edital pede e faça muitas questões da IBFC e de outras bancas similares.

Alan Vinícius, diretor pedagógico do Acerte Concursos, alerta para a prova discursiva, avaliada na segunda etapa. “A Redação é fundamental e vai gerar o grande salto para o candidato. É comum que a comissão classifique um número maior de candidatos para essa fase porque alguns vão zerar a prova”, argumenta. Eduardo Galante, professor de Direito Civil do Gran Cursos Online, recomenda que a Redação seja “a primeira prova feita e que o aluno invista pelo menos 1 hora e meia nela”.

O gerente comercial Kevin Sodré, 29 anos, já tem seu plano de estudos montado, e sua rotina inclui uma preocupação com o condicionamento físico, pois o edital do concurso prevê prova de avaliação física. “Há um ano fiz cursos e depois de ser direcionado comecei a complementar meus estudos em casa. Além disso, não ignoro o teste físico e sempre treino”, diz. (Correio)




PARA SAIR NA FRENTE

Peso das provas: Enquanto a prova de conhecimentos gerais representa 15% do teste, a de conhecimentos específicos e a discursiva pesam cinco vezes mais. Sendo assim, priorize as últimas na hora dos estudos.

Questões: Fazer questões da IBFC, organizadora, e de outras bancas com o mesmo nível de dificuldade é a melhor forma para praticar. Além de fixar os assuntos, ainda garante a preparação para o tipo de avaliação.

Discursiva: Para escrever bem, a leitura precisa estar sempre em dia e o aluno deve estar atualizado. Na hora da prova, não utilize gírias e se preocupe com a gramática. É preciso ser claro e objetivo.

Tempo: O tempo é um fator decisivo no concurso. Para não ter dificuldades em gerenciá-lo na hora da prova, é bom começar a fazer simulados cronometrando o tempo gasto em cada questão.

Teste físico: O Teste de Aptidão Física (TAF) faz parte da segunda fase e é eliminatório. Por isso, é bom reservar alguns minutos do dia para começar o treinamento e ter condicionamento físico.

Comentários da Notícia: