quinta-feira, 8 de junho de 2017



A comissão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, por 4 votos contra 3, que as delações da Odebrecht e os depoimentos dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura não poderão ser considerados como prova para o julgamento do processo que pede a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer.

O resultado já era esperado, uma vez que, durante a parte do julgamento que ocorreu na manhã desta quinta-feira (8) a maior parte dos ministros já tinha indicado que se posicionaria contra o apensamento.

Votaram contra a inclusão das delações os ministros Tarcísio Vieira Neto, Napoleão Nunes, Admar Gonzaga e o presidente do TSE, Gilmar Mendes. Já os ministros Luiz Fux, Rosa Weber e Herman Benjamin, eram a favor da manutenção no julgamento dos depoimentos. (Metro1)

Comentários da Notícia: