Primeiro Ba-Vi do ano é marcado por briga, socos e muita vergonha, assista



Foi feio de ver e chocante até para quem tem intimidade com as arquibancadas há anos. O primeiro Ba-Vi de 2018 virou uma mancha na história de um dos maiores clássicos do país. Neste domingo (18), o jogo não acabou de forma natural. Com cinco expulsões no lado do Vitória (e nove no total), o árbitro foi forçado a cumprir o regulamento e dar fim à partida no Barradão.

O jogo corria dentro da normalidade, disputado e leal. Aos 33 minutos, o Vitória abriu o placar com Denilson, após rebote do goleiro Douglas. Ele agora é artilheiro isolado do Leão na temporada, com cinco gols.

Na volta para o intervalo, começou o que seria um dos piores Ba-Vis da história. Após cobrança de escanteio, a bola quicou e bateu na mão do volante Uillian Correia na área. Pênalti que Vinícius cobrou e empatou. Ao comemorar, o meia tricolor repetiu sua habitual dancinha: colocou as mãos nos joelhos e, na sequência, fez duas vezes os gestos do “créu”.

A cena foi feita em direção à torcida do Vitória. Indignado com a atitude, Fernando Miguel correu em direção ao jogador, o segurou pelo pescoço e bradou. Foi o suficiente para o campo de futebol virar um campo de guerra. Teve murro de Kanu, Yago e Denilson em Vinícius; soco de Rhayner em Edson; e Bryan, que foi atingido por Edson e nem viu de onde o murro veio.  (ATarde)