BA, SP e MG lideram ranking de feridos por fogos de artifício




O administrador de redes de informática, Fábio Magalhães, 35 anos, já se queimou, pelo menos, oito vezes no São João. Os acidentes ocorreram durante a tradicional guerra de espadas em Cruz das Almas, na Bahia.

No festejo, diferentes grupos entram em disputa e disparam canudos cheios de pólvora pelas ruas da cidade. Mesmo após as queimaduras, Fábio não abandona a tradição.

O costume de soltar fogos de artifício sem o devido cuidado já levou mais de 5.063 mil pessoas a serem hospitalizadas entre 2008 e 2017, no Brasil. E são justamente os festejos juninos (que em algumas cidades se estendem até julho) que fazem dobrar as internações por acidentes desse tipo.

Os números acima são do levantamento elaborado pelo CFM (Conselho Federal de Medicina), em parceria com as Sociedades Brasileiras de Cirurgia da Mão e de Ortopedia e Traumatologia.

É a primeira vez que as entidades analisam esses tipos de dados referentes a um período de dez anos. Segundo dados do Sistema de Informação Hospitalar do governo federal, a Bahia lidera o ranking em quase todos os anos, com o total de 1037 casos.

Ao longo da última década, 20% das internações ocorreram em municípios baianos. "A liderança da Bahia se justifica pela maior tradição de festejar o São João do que em os outros estados. É a festa mais comemorada por aqui, mais que o Carnaval", diz o médico baiano Jecé Brandão, do CFM.

Na sequência aparece o estado de São Paulo, com 962 casos (19%) e uma população de 45,34 milhões, três vezes maior que a da Bahia. Em terceiro está Minas Gerais, com população de 21,1 milhões de pessoas e onde foram registradas 701 internações hospitalares (14%).

Minas também é o maior produtor de fogos de artifício do Brasil. Somente o município de Santo Antônio do Monte é responsável por 96% dos artefatos usados no país.

Segundo o CFM, a forte tradição dos festejos juninos em São Paulo e Minas Gerais aliada ao tamanho da população e ao poder aquisitivo justificam a posição desses estados nas três primeiras posições do ranking de internações, atrás da Bahia.

Juntas, representam mais da metade de todos os casos registrados no período (53%). Entre os estados com menor número de notificações estão Roraima (17), além de Tocantins e Acre —ambos com 14.
Junho costuma ter, em média, o dobro das internações em hospitais brasileiros por fogos de artifício.
"É preciso ter cautela no manuseio desses fogos, sobretudo promovendo ações de proteção às crianças", analisa o presidente do CFM Carlos Vital.

Além de óbitos, o uso de fogos pode provocar queimaduras, lesões que rasgam e cortam a pele, amputações de membros, danos na córnea, perda da visão e também lesões auditivas.

Na Bahia, só entre os dias 22 e 25 de junho deste ano, 75 vítimas de queimaduras por fogos e explosão de bombas foram atendidas em oito hospitais da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia.

O Hospital Geral do Estado, referência no atendimento a queimados em Salvador, atendeu 43 pacientes, sendo 11 vítimas de queimaduras por fogos e outras 32 por explosão de bomba usadas em festas juninas.
Marcadores:

Postar um comentário

[facebook][blogger]

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.