Epidemias erradicadas voltam a surgir no Brasil




Tudo começa com uma tosse intensa, coriza e febre. Esses são os sintomas iniciais do Sarampo, doença que já foi considerada muito comum na infância e tinha sido eliminada do Brasil desde 2016, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou que o país estava a um ano sem registro de casos. Hoje, autoridades de saúde observam com preocupação o retorno dessa e de outras doenças consideradas erradicadas no passado e que ameaçam a saúde pública.

A febre amarela tomou conta de todos os noticiários no início do ano, mas essa não é o único motivo de alerta. Casos de hepatites também preocupam – a hepatite A teve um aumento de mais de 70%, principalmente entre homens. No mês de junho, o Ministério da Saúde também informou haver um alto risco do retorno da poliomielite em, pelo menos, 312 cidades brasileiras.

Por meio de comunicado, o Ministério da Saúde revelou que as baixas coberturas vacinais identificadas em todo país contribuem para esse cenário. Dados também indicam que a aplicação de todas as vacinas do calendário adulto está abaixo da meta – incluindo a dose que protege contra o sarampo. Entre as crianças, a situação não é diferente. Em 2017, apenas a BCG – vacina que protege contra a tuberculose, atingiu a meta de 90%. A Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim) defende que seja feita a vacinação de 95% da população.

Segundo Lorena Souza da Silva, docente na área de atenção farmacêutica, para diminuir esse surto, seria necessário que o Brasil e os países vizinhos reforçassem a vigilância nas fronteiras e revissem os protocolos de vacinação. “A crise que afeta os países vizinhos ao Brasil é imensa e, pode sim, ter contribuído de forma preocupante para este quadro e comprometido a saúde da população bra5sileira”, destaca.

Lorena também explicou que a Lei 13.021 de 2014, que dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas, propõe que as farmácias sejam também pontos de vacinação. “Seria interessante que as vacinas fossem administradas nas farmácias por profissionais farmacêuticos. Isso facilitaria o acesso da vacina para a população e, consequentemente, daria o suporte necessário para que conseguíssemos reverter esse quadro”, defende Lorena. (Correio)

Comentários