MPF aciona 63 cidades baianas com menos de 50% das crianças vacinadas contra a poliomielite



O Ministério Público Federal (MPF) acionou 63 cidades da Bahia que têm menos de 50% das crianças protegidas contra a poliomielite (paralisia infantil) para que adotem as medidas necessárias para garantir o aumento da imunização. Ao todo, 312 cidades brasileiras começaram a ser notificadas na sexta-feira (6), mas a informação foi divulgada nessa segunda-feira (9).

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que a cobertura contra a poliomielite seja de 95%. A doença é considerada erradicada no país, mas, de acordo com o MPF, a deficiência na cobertura vacinal dos municípios impõe risco de reintrodução da patologia no país. O último caso de pólio no Brasil foi registrado em 1990.

Em ofício, a procuradora Deborah Duprat recomenda que os municípios adotem uma série de providências para imunizar mais crianças contra a doença. Dentre elas, a ampliação do horário de funcionamento das salas de vacina, a aplicação de mais de uma vacina por vez quando necessário e a busca ativa das crianças com vacinas atrasadas por agentes de saúde.

Ao CORREIO, em entrevista por email, a procuradora explicou que, desde que está à frente da procuradoria, em maio de 2016, nenhum tipo de autuação por problemas na cobertura vacinal aconteceu no Brasil. "E acho muito difícil que tenha ocorrido antes, até porque o programa de vacinação do Brasil era reconhecidamente exitoso, com a erradicação de várias doenças", pontuou. (Correio)

Comentários